Um poema de paixão de Fernando Pessoa

Na juventude, Fernando Pessoa apaixonou-se pela jovem portuguesa Ophélia Queiroz, de apenas 19 anos - que se tornou sua única namorada de que se tem notícia. Embora o namoro tenha sido curto, seguiram-se períodos de fecunda correspondência entre ambos e cujas cartas ainda não são de todo conhecidas.
Em suas reminiscências, a musa se lembrava de quando o poeta declarou-se a ela, tomando-a de surpresa nos braços e beijando-a com paixão. Desse evento, resultou um poema que Ophélia decorou de tanto ler:

Fiquei louco, fiquei tonto,
Meus beijos foram sem conto,
Apertei-a contra mim,
Enlacei-a nos meus braços,
Embriaguei-me de abraços,
Fiquei louco e foi assim.

Dá-me beijos, dá-me tantos
Que enleado em teus encantos,
Preso nos abraços teus,
Eu não sinta a própria vida
Nem minha alma, ave perdida
No azul-amor dos teus céus.

Boquinha dos meus amores,
Lindinha como as flores,
Minha boneca que tem
Bracinhos para enlaçar-me
E tantos beijos p'ra dar-me
Quantos eu lhe dou também.

Botão de rosa menina,
Carinhosa, pequenina,
Corpinho de tentação.
Vem morar na minha vida,
Dá em ti terna guarida
Ao meu pobre coração.

Não descanso, não projecto,
Nada certo e sempre inquieto
Quando te não vejo, amor,
Por te beijar e não beijo,
Por não me encher o desejo
Mesmo o meu beijo maior.

Ai que tortura, que fogo,
Se estou perto d'ela é logo
Uma névoa em meu olhar,
Uma nuvem em minha alma,
Perdida de toda a calma,
E eu sem a poder achar.

Fernando Pessoa - 1920

 - - - - - - - - - - - - -
Tags:


- - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - -

Mensagens para enviar:

Bom dia! Sorria! Boa noite
Post a Comment