Camões - Soneto - Busque Amor novas artes, novo engenho,

Busque Amor novas artes, novo engenho,
Para matar-me, e novas esquivanças;
Que não pode tirar-me as esperanças,
Que mal me tirará o que eu não tenho.

Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Que não temo contrastes nem mudanças,
Andando em bravo mar, perdido o lenho.

Mas, conquanto não pode haver desgosto
Onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê.

Que dias há que n'alma me tem posto
Um não sei quê, que nasce não sei onde,
Vem não sei como, e dói não sei porquê.


Questões sobre o soneto BUSQUE AMOR:

1. (PUC-RS) Neste poema é possível reconhecer que uma dialética amorosa trabalha a oposição entre:
a) o bem e o mal.
b) a proximidade e a distância.
c) o desejo e a idealização.
d) a razão e sentimento.
e) o mistério e a realidade.

2. (PUC-RS) Uma imagem de forte expressividade deixa implícita uma comparação com o arriscado jogo do amor. Assinalar a alternativa que contém essa imagem:
a) o engenho do amor.
b) o perigo da segurança.
c) naufrágio em bravo mar.
d) mar tempestuoso.
e) um não sei quê.

03. Segundo os versos do poema, o eu lírico
a) está à procura do Amor.
b) está amando e cheio de esperanças.
c) está seguro devido ao Amor.
d) está sem esperança.

4. Ao se dirigir ao Amor, na primeira estrofe, percebe-se por parte do eu lírico um tom de
a) súplica         
b) desafio          
c) ameaça        
) euforia

5. Por que o eu lírico não teme as novas artes do Amor?
a) Porque o eu lírico não possui mais esse sentimento.
b) Porque onde falta esperança não há desgosto.
c) Porque a esperança que ele tem o faz sentir mais seguro.
d) Porque ele não teme nada, nem os perigos de um mar bravo.

6. Apresenta uma contradição a justaposição dos termos da expressão
a) novo engenho   
b) bravo mar     
c) perigosas seguranças    
d) novas artes

7. “Busque Amor novas artes, novo engenho”, o termo em destaque tem o sentido de
a) artimanha         
b) trabalho                 
c) objetivo            
d) solução

8. De acordo com o eu lírico do texto, o Amor gera
a) segurança          
b) esperança            
c) sofrimento          
d) dúvidas

9. “Amor um mal, que me mata e não se vê;” o verso sugere que o Amor é
a) indefinido          
b) misterioso          
c) passageiro            
d) intransigente

10. A última estrofe revela que
a) o eu lírico realmente é imune às artes do Amor.
b) o eu lírico busca descobrir as razões do Amor.
c)  o Amor ainda consegue atingir o eu lírico.
d) o Amor abandona o destemido eu lírico.


= = = = = = = = = = = =

Gabarito:
1. c
2. c
3. d
4. b
5. b
6. c
7. a
8. c
9. b
10. c
- - - - - - - - -

Todos os sonetos de Camões
Post a Comment